Sábado, 15 de Março de 2008

Letra F

Flutter - taquicardia cuja frequência cardíaca encontra-se entre 200 e 300 bpm.
 
Flutter atrial - origina-se num foco atrial ectópico, com as ondas P a apresentarem-se em sucessão rápida contínuas e idênticas.
 
Flutter ventricular - é produzido por um único foco ventricular ectópico, com aspecto sinusóide regular. O flutter ventricular quase invariavelmente evolui para a fibrilação ventricular, necessitando de uma desfibrilação e ressuscitação cardiopulmonar.
 
Fibrilação - taquicardia acima dos 300 bpm.
 
Fibrilação atrial - numerosas deflexões atriais ectópicas dando uma linha de base irregular. Não há um impulso que despolarize os átrios de maneira completa, e somente por acaso um impulso atravessa o nódulo AV de forma arrítmica.
 
Fibrilação ventricular - é causado por muitos focos ectópicos disparados em frequências diferentes, produzindo-se um ritmo caótico, irregular e fatal.
Fibrilação atrial - apresenta um desenho cheio de ondas P minúsculas, causado pela descarga de focos atriais múltiplos. Não há um impulso que despolarize os átrios de forma completa, somente por acaso um impulso atravessa o nódulo AV de forma arrítmica. É uma arritmia cardíaca originada nos átrios, onde a actividade eléctrica é desorganizada. As frentes de onda distribuem-se de maneira aleatória, conforme a velocidade de condução e o período refractário das várias porções dos átrios. A linha de base pode ser isoelétrica (sem variação) ou ter irregularidades, quer finas, quer grosseiras.
Fio terra – colocado na perna direita para estabilizar o traço.
Feixe de His e Fibras de Purkinje - o feixe tem um curto tronco, que parte do nódulo atrioventricular para a esquerda e para baixo, atravessa o tabique fibroso que separa átrios e ventrículos,(normalmente este é o único feixe muscular de comunicação através do tabique) e a seguir, desce pela face endocárdica direita do septo, bifurcando-se posteriormente em ramos direito e esquerdo. As ramificações ( fibras de Purkinjie) formam uma intrincada rede por toda a face endocárdica dos ventrículos. O potencial de acção das células de Purkinjie é característico de tecido condutor do tipo rápido com despolarização que dura de 0,1 a 0,2m/s e a mais alta velocidade de propagação de todo o sistema, 2 a 4m/s.
publicado por bioengenhariaestgp às 23:43
link do post | comentar | favorito

.o nosso curso

.pesquisar

 

.Março 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Bioengenharia na ESTG de ...

. Introdução sobre a Bioeng...

. A História da Bioengenhar...

. Glossário de Termos relac...

.Arquivo

. Março 2008

.Glossário

. Glossário de Termos relac...

. Letra A

. Letra B

. Letra C

. Letra D

. Letra E

. Letra F

. Letra G

. Letra H

. Letra I

blogs SAPO

.subscrever feeds